Ideias e liberdade


    O equívoco da cobrança de impostos sobre herança.

    Compartilhe
    avatar
    Conhyrad

    Mensagens : 40
    Data de inscrição : 29/10/2013
    Localização : Rio de Janeiro

    O equívoco da cobrança de impostos sobre herança.

    Mensagem por Conhyrad em Seg Dez 02, 2013 6:48 pm

    " Grande parte do ardor pela busca pela igualdade se origina na crença de que não é justo que certas crianças tenham vantagens somente por terem pais ricos. Claro que não é justo.
    Mas existe distinção entre herança de propriedade e herança de algo que parece muito diferente à primeira vista? Muitas pessoas herdaram riquezas não em forma de ações, mas em forma de talento. A herança de talentos não difere, de um ponto de vista ético, da herança de propriedade como ações, casas, indústrias. Mas muitos aceitam uma coisa, e rejeitam a outra."
                                                                                                   -Milton Friedman

    Inúmeras famílias muitas vezes tem uma carreira dentro dela que é comum entre grande parte de seus membros. Por exemplo, uma família de músicos. Geralmente, um membro dessa família vai ter um filho, e tentará o ensinar a também ser um músico, dando talento e habilidade ao filho. Isso, por mais que as pessoas gostem de ignorar, é uma forma de herança, mas é uma forma de herança abstrata, ao contrário do dinheiro, que é concreto, é físico, mas eticamente não há diferença entre essas duas formas, já que as duas foram coisas que os pais deram a seus filhos.

    Se formos pensar da perspectiva dos pais, que querem ajudar os filhos, querem dar uma chance para eles terem sucesso em suas vidas, veremos que eles tem diversas formas de fazer isso, como por exemplo, pagar uma educação que os dê uma boa qualificação para então, ter uma boa renda; ensiná-los alguma coisa que os pais sabem, e que poderia ser usado como forma de ganhar dinheiro; ou dar propriedades, dinheiro, ações, investimentos, indústrias, etc. Não há tanta diferença entre elas, porque todas tem como objetivo garantir o futuro e o sucesso dos filhos.

    Uma coisa que muitos não percebem é como o sistema de livre mercado tem encorajado e possibilitado as pessoas trabalharem duro e se sacrificarem para benefício de seus filhos. É comum os pais darem maior valor ás coisas que seus filhos querem e precisam do que ás suas (dos pais) próprias necessidades, com o objetivo de garantir o futuro dos filhos, embora muitas vezes eles tenham todo motivo do mundo para acreditarem que seus filhos ganharão muito mais do que eles, e terão uma vida muito mais rica e bem sucedida, e mesmo assim os pais estão lá, poupando e se sacrificando para dar um futuro melhor aos filhos.

    Essas questões são demasiadamente complicadas, e não serão decididas com ideias simples, como a de igualdade para todos. Na verdade, se isso fosse ser levado a sério, as pessoas com poucos talentos musicais, por exemplo, seriam os que iriam para escolas de música, e não aqueles com muito talento musical, para "compensar" a desvantagem que herdaram.

    Em uma sociedade como a nossa, que é regida por ideais familiares (embora tentem abolir isso), um imposto que tente "confiscar" o dinheiro das pessoas após suas mortes causaria um caos total e exorbitante. Irei listar os principais desastres que aconteceriam:

    1 - Qual a razão de também não ser confiscada a herança de talentos e habilidades?

    O Estado, que com certeza ficaria extremamente mais forte com essa medida (100% de imposto sobre heranças), passaria a pensar nas outras formas de herança, e iria achar a "perfeita" alternativa.  O Estado iria, em nome da justiça social e igualdade, "confiscar" os filhos dos pais, separando-os, e educando-os da mesma forma em escolas estatais, impossibilitando que tenham talentos diferentes (ou pelo menos dificultando), ganhem mais que os outros, já que todos terão o mesmo grau de educação, e também facilitando a doutrinação ideológica da massa, a fim de ter uma massa militante eterna apoiando o governo, que ficará com controle total das mentes das gerações.O governo criaria, aos poucos, um exército disciplinado segundo as doutrinas do Estado, que servirá para ele como espiões e como soldados. Criar-se-ia, aos poucos, um regime totalitário.

    2 - A vida e o dinheiro da população seria gasta em entretenimento fútil e em um estilo de vida de excessos.

    O famoso estilo de vida do "Rei do camarote" não mais seria uma exceção, como é agora, mas passaria a ser a regra. Atualmente, os casos de pessoas que herdam uma empresa e trabalham, assumindo o seu comando, é muito maior do que aqueles que herdam e passam a vida inteira consumindo, gastando, e não produzindo. Com um imposto de 100% sobre heranças, esse quadro se inverteria: as pessoas passariam, se por algum acaco acumulassem riqueza, a gastar tudo em futilidades e entretenimento "inútil" .  Mas porque isso aconteceria? Por dois motivos; É notório que ninguém gosta de pagar imposto e dar dinheiro ao governo; e isso (o imposto) destruiria o principal incentivo de ter riquezas: deixar heranças para os filhos ficarem bem, e terem um "futuro". Os pais geralmente trabalham muito, e se sacrificam, como citei anteriormente, para sustentarem os filhos, e para darem o melhor para eles, mesmo que isso custe as suas vontades. Esse trabalho se acumula em forma de riquezas, que os pais poupam para deixarem aos filhos. E os maiores incentivos de todos, os incentivos que realmente tem motivado as pessoas são os de se criar uma família, de estabelecer uma família, em um sistema decente. Mas, se eles sabem que isso é inútil e que o dinheiro não irá para os filhos, eles não terão muitos motivos para guardar, e passarão a gastar.

    3 - Desenvolvimento, tecnologias, pesquisas (em sua maioria), riquezas deixariam de ser geradas e todos os setores da economia iriam estagnar.

    Se as pessoas então gastassem todo seu dinheiro em entretenimento fútil, haverá um sério problema: de onde viria o capital para investimentos? De onde viriam as máquinas? De onde viria o incentivo para desenvolver tecnologias? E de onde viriam as fábricas, indústrias, estabelecimentos, se todo dinheiro está sendo gasto em coisas sem muita utilidade?
    Não haveria dinheiro para ser investido nas empresas, ou em qualquer outra coisa.

    4 - Após uma geração, toda a economia seria estatizada e administrada por burocratas.

    Não haveria mais propriedade privada, tudo seria do governo, e tudo seria produzido pelo governo. As pessoas não se interessariam em trabalhar, nem em investir/criar empresas, por que sabem que tudo passaria a pertencer ao governo após suas mortes.
    A economia passaria a ser planificada ou, no máximo, seria um capitalismo estatal.
    Com a economia estatizada, a ineficiência inerente ao Estado tomaria conta, assim como o excesso de gastos, o que causaria uma falência do Estado, da economia, tudo passaria a ser mais caro e mais escasso e grande parte da população morreria de fome ou fugiria do país devido ás condições nefastas presentes nele.
    Além disso tudo, a prática da corrupção seria muito mais comum, já que num sistema excessivamente burocrático ela é facilmente praticada, mas dificilmente punida. Exemplos disso não faltam na antiga União Soviética, em que gerentes "maquiavam" relatórios  ao governo para permanecerem no cargo. Isso aconteceria em larga escala, e não só em gerentes burocratas de empresas estatais.

    5 - Todo o dinheiro seria posse do Estado.

    Também após uma geração, todo o dinheiro seria posse do Estado, que o distribuiria para quem ele quisesse ou, mais provavelmente, pra quem o apoiasse.
    Quando antes não haveria dinheiro para investimentos por causa da cultura consumista que não queria dar dinheiro ao governo e só queria gastar, agora não haveria por causa do governo que no máximo investiria naquilo que ele quisesse.
    Tudo seria posse do governo, tudo seria controlado pelo governo, e viveríamos verdadeiramente num país comunista, autoritário, totalitário e orwelliano.

    6 - Queda massiva da população do país.

    Já citei que a população em geral morreria de fome ou (tentaria, alguns conseguiriam) fugiria do país, mas também há outro fator.
    Muito provavelmente as pessoas teriam bem menos filhos que atualmente, já que eles (os filhos), com o tempo, poderiam passar a ser criados e educados pelo Estado, ao invés de pela família.
    Isso terminaria de levar o país ao colapso, e ele passaria a ser uma terra de ninguém, onde ninguém vive, e ninguém quer viver.

    7 - A gloriosa igualdade social; Ou: Por que todos estão pedindo esmola na rua?

    Após tudo isso, o sonho comunista foi alcançado, a desigualdade social e a luta de classes foram exterminadas: Todos do país agora seriam igualmente miseráveis .
    O filho que geralmente iria herdar uma humilde casa no pé da favela agora não tem casa (ou mora em algum abrigo do Estado); aquele que iria herdar uma fazenda e um apartamento na cidade agora não tem mais nada; e o mais maravilhoso: aquele playboy caucasiano que morava em um apartamento no Leblon agora também não tem mais nada!
    Finalmente a burguesia saiu de seu trono imperialista e a justiça social tomou seu lugar!

    ----------x----------

    O imposto sobre heranças destruiria a família, a sociedade familiar, e qualquer país no mundo. Com exceção do governo, todos seriam pobres, todos seriam militantes do partido, todos passariam fome, todos viveriam na miséria e na pobreza.
    As pessoas desconsideram os empregos gerados pelas empresas/fábricas, não consideram o possível esforço e risco que o empresário que cria a indústria tem para criá-la e sustentá-la, podendo se empobrecer de um dia para o outro. Elas só vêem que elas tem um contracheque mais gordo, um salário maior, e acham que isso é injustiça tremenda. E tentam solucionar isso tomando "os meios de produção para o proletário", ou inventando coisas como o imposto sobre heranças. Elas ignoram que desde a revolução industrial e o início do capitalismo industrial, o padrão de vida de todas as camadas da sociedade só vem aumentando. Hoje em dia grande parte da população tem acesso a celulares, computadores, etc, coisas que até uns anos atrás eram instrumentos elitizados. Quanto mais livre o mercado, como dizia Milton Friedman, melhor estarão as pessoas pobres e ordinárias.
    Um grande problema na sociedade é que muitas pessoas (não todas, claro) vêem gente como o "Rei do camarote" como um exemplo a ser seguido, por livre arbítrio. Elas ignoram que ele apenas esbanja arrogantemente, e não tem valor na sociedade. Elas só vêem o prazer exacerbado que ele tem. Mas imposto sobre heranças não é a resposta, visto que dela também vem o capital necessário para dar continuidade e investir em empresas que empregam milhares de funcionários. Não se deve condenar toda uma categoria pelas ações de uma parcela ínfima dela.
    Novamente, essas são questões complicadas, que não serão resolvidas com respostas simples.

      Data/hora atual: Sab Abr 21, 2018 11:45 pm